Notícias

Pesquisa inédita no Brasil sobre os benefícios e propriedades do Óleo de Coco no tratamento capilar

Pesquisa inédita no Brasil sobre os benefícios e propriedades do Óleo de Coco no tratamento capilar

O óleo de coco extra virgem tem pesquisa inédita para o uso nos cabelos

 

   A boa novidade é que ao ser aplicado nos fios, apesar de não possuir a capacidade de alisar instantaneamente, o uso continuado do óleo de coco extra virgem fornece maior maleabilidade aos fios capilares, tornando-os mais “moldáveis”. Ou seja, o óleo de coco faz com que o cabelo fique menos rebelde e assuma uma forma mais regular e uniforme.

 

             Por trás da novidade está a farmacêutica, Jackeline de Souza Alecrim, que realiza há algum tempo pesquisas com o óleo de coco, com o foco no estudo da Cosmetologia Avançada em Produtos Naturais, assunto no qual é especialista e agora ela é a responsável pelo desenvolvimento de produtos cosméticos para a Copra.

 

                 Jackeline explica que as ondulações disformes e a sensação de cabelo pouco definido ocorrem de acordo com a distribuição de ligações químicas específicas como as pontes salinas, dissulfeto e de enxofre ao longo do fio, sendo que a concentração de aminoácidos está relacionada ao peso distribuído em diferentes partes do cabelo.

 

                 - Enquanto o óleo de coco modifica o cabelo de maneira suave e benéfica, através de um preenchimento, que deixa sua estrutura mais uniforme e alinhada, processos de alisamento químico à base de formol, por exemplo, atuam através de mecanismos extremamente prejudiciais aos fios, quebrando as ligações de enxofre presentes nas pontes dissulfeto, a fim de uniformizar a distribuição de aminoácidos para que o cabelo fique liso. O grande problema é que neste processo ocorre também à destruição de aminoácidos, vitaminas e outros componentes que compõem a fibra capilar, o que não ocorre com o uso do óleo de coco -, reporta a especialista, apontando para mais um benefício do óleo de coco extra virgem.

 

                 Segundo Jackeline, esta capacidade se deve à presença de alta concentração de Triglicerídeos de cadeia média em sua composição, sobretudo dos ácidos láurico, cáprico e caprílico, que possuem a capacidade de penetrar no córtex do fio que colaboram ativamente para a reconstrução do fio.

 

  - O óleo de coco funciona como um poderoso antioxidante por conter considerável concentração de vitamina E -, destaca a farmacêutica.

 

                 Para compreendermos como o óleo de coco penetra nos fios é preciso conhecer a estrutura de um fio de cabelo, de acordo com a imagem abaixo:

 

 

 

 · O fio do cabelo é formado por cutícula, córtex e a medula. Agressões externas podem alterar toda a estrutura dos fios, fazendo com que eles se tornem opacos e quebradiços.

 

 · Os triglicerídeos presentes no óleo de coco conseguem atravessar a cutícula do fio e penetrar no córtex, desta forma preenchem lacunas causadas por danos e reconstituem a estrutura capilar, devolvendo a maciez, o brilho e a maleabilidade aos cabelos. As partículas depositadas realçam ainda a cor, visto que a melanina que é o pigmento natural do fio também está localizada no córtex.

 

                 A Farmacêutica Responsável pelo Desenvolvimento de Produtos Cosméticos na Copra ensina que o óleo de coco por se tratar de uma substância natural, sem aditivos químicos, demanda mais tempo para agir, penetrar no córtex capilar e reparar de forma satisfatória os fios.

 

                 - O tempo mínimo para uma absorção satisfatória é de 4 horas, podendo chegar ao tempo máximo de 8 a 12 horas para obtenção de uma ação completa. Após este período acontece uma saturação no processo de absorção e o óleo para de penetrar no fio, podendo então ser removido -, diz Jackeline.

 

                  Entretanto, os experimentos da farmacêutica apontam para uma variação do tempo de ação, que depende de cada tipo de cabelo e a intensidade dos danos observados. Ela ressalta que os fios porosos tendem a apresentar cutículas abertas absorvendo com maior rapidez o produto, enquanto outros tipos apresentam cutícula semiaberta e absorção mais lenta. Dessa forma, para maior comodidade e melhores resultados, a aplicação do óleo poderá ser realizada á noite e remoção na manhã seguinte, e o produto terá tempo suficiente para penetrar nos fios.

 

 É preciso lavar antes, usar algum produto para abrir as escamas dos fios?

 

                 Geralmente não é necessário lavar os fios antes de realizar a umectação com o óleo de coco, a não ser em casos de utilização prévia de produtos ricos em parafina e outros compostos que podem provocar impermeabilização dos fios impedindo a absorção de nutrientes.

 

 Depois de começar a atuar, o que deve ser feito? Escovado? Massageado?

 

                 O óleo pode ser aplicado nos fios, através de uma massagem suave, deslizando o produto por todo o comprimento, inclusive na raiz do cabelo, desde que o mesmo seja devidamente removido para que não ocorra aumento indesejável da oleosidade. Estudos demonstram inclusive uma promissora capacidade de tratar distúrbios que provocam oleosidade excessiva utilizando óleos vegetais específicos, como por exemplo, o óleo de coco.

 

                 - Este efeito provavelmente ocorre  devido a um mecanismo de ‘feedback’ negativo onde a reposição de lipídios e nutrientes no interior da fibra capilar reestabelece a fisiologia do couro cabeludo minimizando a produção excessiva de oleosidade -, ensina a farmacêutica.

 

 Pesquisa e produto cosmetológico inéditos no mercado

 

                 A Copra é uma empresa que já é referência no desenvolvimento de produtos inovadores no ramo alimentício e que agora está expandindo suas atividades para a área da Cosmética Natural. Sempre empenhada em oferecer produtos de alto nível, iniciou esta trajetória de expansão investindo em pesquisas científicas a fim de obter produtos naturais que apresentem desempenho cosmetológico. Em breve lançará no mercado um óleo de coco especialmente extraído para aplicação capilar, garantindo um produto de fácil aplicação e máxima eficiência.